Sobre a exposição

Começou em 11 de NOVEMBRO 2014 Terminou 15 de MARçO 2015

A SEDUÇÃO FATAL. IMAGINÁRIOS ERÓTICOS DO SÉCULO XIX

Info

Fechado Começou em 11 de NOVEMBRO 2014 Terminou 15 de MARçO 2015

  • Cantidad de obras 65
  • Curador Laura Malosetti Costa
Baixe Kit de Imprensa

Compartilhar exposição

No Museo Nacional de Bellas Artes, foi inaugurada o 11 de novembro a exposição "A sedução fatal. Imaginários eróticos do século XIX", com curadoria de Laura Malosetti Costa. Organizado em colaboração com a Biblioteca Nacional, a exposição também é desenvolvida na Sala do Tesouro onde serão expostas fotos e publicações eróticas de seu acervo.

Nesta exposição, cerca de 65 obras de pintura e escultura, além de gravuras, fotografias e impressos são exibidos nos seguintes grupos temáticos: Erotismo e violência: o rapto; Presos e cativos; Nu, voyeurismo e transgressão; Musas sedutoras. Esta seleção inclui obras de artistas europeus e argentinos (e também incluindo a Juan Manuel Blanes, uruguaio), seguindo o fio das imagens eróticas do Ocidente na arte e no gosto dos colecionadores e públicos argentinos, com as suas sincronicidades e diferenças.

Tenta-se transformar o caráter de "museu de arte", de acordo com um novo olhar, ligada com outras manifestações da cultura de seu tempo como elementos visuais que moldaram o desejo, como manifestações do universo ideológico e mental em que foram inscritos.

Na extraordinária coleção de obras do século XIX do Museu Nacional de Belas Artes em Buenos Aires ainda não foi encenada uma visão crítica que a ligue com as grandes tradições do erotismo no Ocidente.

Esta é uma particularmente rica coleção de pintura e escultura do final do século XIX e da primeira década do século XX, quando o museu foi criado e os colecionadores portenhos da Belle Époque adquiriram as obras de arte européias que foram para enriquecê-lo. Muitas das obras expostas no salão central, se inscrevem nos tópicos hegemônicos consagrados e admitidos em relação ao olhar e desejo masculinos sobre o corpo das mulheres.

Embora grande parte do trabalho que temos aqui reunido tenha sido realizado na Europa, ele tem significados variados: o nosso olhar para a Buenos Aires de fim do século os move as obras para um cenário diferente, onde foram processados de outras formas as últimas notícias, as tradições europeias, e as relações de gênero, raça e classe implícitas na formas de erotismo que estas obras foram encenadas.

​Nesse sentido, este é um convite a pensar de forma síncrona os circuitos diferentes e públicos para essas representações e a cultura de massa emergente na cidade: as impressões e livros de luxo, fotografias, desenhos políticos, publicidade na primeiras revistas, filmes, milonga e tango. A partir desses cruzamentos, a fluidez é evidente nas imagens, símbolos, formas de pensar e de sentir que circularam entre a cultura das elites e das classes populares, em uma cidade que, naqueles anos alimentou uma reputação mundial de ser tão bonita, sedutora e perigosa.

Então, nesse cruzamento, as obras consagradas pela "alta cultura" serão deslocadas da lógica do Museu até mesmo dentro de seus muros: algum desmascaramento nós convidará a olhá-las novamente junto com outros eventos culturais que, em sincronia e em sintonia com elas, mas fora do museu, foram consideradas pornográficas e "perigosas". Neste contexto mais amplo pretendemos desnaturar as suas implicações eróticas, oferecendo aos espectadores novos lugares críticos de observação.

Estas obras falam de um gosto predominante nas coleções argentinas pelo erotismo suave e refinado de artistas como William-Adolphe Bouguereau ou Jules Lefebvre, de uma certa propensão para razões eróticas orientalistas de alguma forma ligados à história local, e de alguns gestos disruptivos fortes de ambos artistas - o exemplo paradigmático é Eduardo Sívori- como de alguns colecionadores argentinos. Tudo isso foi formando a cultura de uma elite que procurou instalar em Buenos Aires os hábitos e gostos de uma modernidade urbana europeizada, mas também um novo sistema de corpos, desejo e relações de gênero.

Eduardo Schiaffino é o protagonista chave desta história, a partir de seus próprios nu modernos e simbolistas, as suas intervenções como crítico em vários jornais, e sua batalha constante pela arte moderna como formador de coleções para o Museu Nacional, ele foi sem dúvida quem mais contribuiu para construir um palco para a arte nova, com o nu feminino como ponta de lança, em Buenos Aires.

Graças à iniciativa da Biblioteca Nacional de convocar escritores contemporâneos para escrever sobre as obras desta exposição, temos a oportunidade de nós aproximar ao estímulo intelectual como sensível a elas continuarem a ter sobre esse seleto grupo de homens e mulheres de nossa cultura.

​A exposição é generosamente apoiada, como de costume, pelo Ministério da Cultura da Nação e da Associação de Amigos do MNBA.