Sobre a exposição

Começou em 31 de MARçO 2015 Terminou 31 de MAIO 2015

BERNARD PLOSSU - FRANÇOISE NUÑEZ

Info

Fechado Começou em 31 de MARçO 2015 Terminou 31 de MAIO 2015

  • Salão Salão 39 "y 40 - Sala de exposiciones" (primeiro andar)
  • Curador Adriana Lestido

Compartilhar exposição

Este 31 de março no Museu Nacional de Belas Artes inaugura-se a exposição "Bernard Plossu - Françoise Nuñez. Juntos". Esta vez, 50 obras estão expostas: 25 fotografias de Plossu e 25 de Nuñez.

A exposição apresenta fotografias tiradas pelo casal Bernard Plossu - Françoise Nuñez. A seleção cuidadosa permite apreciar o estilo e profundidade de ambos artistas. Eles começaram fotografiar quando em França a fotografia ainda não tinha atingido o nível adequado de reconhecimento.

Bernard Plossu nasceu no Vietnã em 1945. Em 1958 realizou uma viagem espiritual ao deserto do Sahara com seu pai e lá ele tomou suas primeiras fotos com uma câmera para crianças.

Durante sua juventude em Paris, frequentou a Cinemateca, onde ele foi visualmente formado. A influência do cinema da nouvelle vague é evidente em seus retratos de mulheres e na escolha da técnica característica desta era.

Entre 1965 e 1966 viveu no México. Ele viajou pelo país e o fotografiou. Sua estada no país asteca deu origem ao livro Voyage mexicain, publicado 15 anos depois, foi um trabalho fundamental para fotografia e poesia.

De acordo com Pierre Devin, fotógrafo francês, membro fundador do Centro Regional de Photographie Nord-Pas de Calais, "a abordagem inovadora de Plossu amplia as dimensões imaginárias. Construção retrospectiva, estilo e temas são marcados por um autor no início do equilíbrio entre trabalho e vida. Ele respira o ar da liberdade".

Sua vida gira em torno de inúmeras viagens e publicações de livros sobre essas experiências. De um ponto de vista técnico, ele sempre usa uma lente de 50mm, muitas vezes com câmeras antigas, mesmo com câmeras de brinquedo, tirando fotografias a preto e branco e a cores.

Françoise Nuñez começou a dedicar-se a fotografia em 1975. Ele havia estudado com Jean Dieuzaide. Ele trabalhou na Espanha, Índia, Grécia, Turquia, Polônia, Etiópia, Senegal e Japão.

Devin descreve a fotografia de Nuñez como "... o lugar de equilíbrio sutil entre o interior e o exterior, entre a realidade e a ficção. O rigor e a concentração se manifestam de uma forma que afeta o visível. É a capacidade de ver, tomar e fazer. Estamos ainda longe da metáfora da captura. A serenidade da decisão só é prolongada no trabalho de laboratório. A finura de sua técnica amplia sua percepção".