Sobre a Obra

O despertar da criada (Le lever de la bonne)

  • Artista: Sívori, Eduardo
    Nacionalidade Argentina
    (Argentina, Buenos Aires,1847 – Argentina, Buenos Aires,1918)
  • Data: 1887
  • Origem: Escuela Nacional de Artes Decorativas de la Nación
  • Gênero: salão, nu, social
  • Suporte: Sobre tela
  • Dimensões: 198 x 131 cm.
  • Localização: Salão 24 - Arte argentino del Siglo XIX
Voltar

Compartilhar

O despertar da criada (Le lever de la bonne) Ampliar
Inventário 1894

Comentário sobre O despertar da criada (Le lever de la bonne)

Le lever de la bonne é um nu naturalista. Ainda quando o título e alguns elementos da composição o conotam, a pintura pertence ao género que ao longo do século XIX foi campo de batalha das audácias modernistas. Não há narratividade na cena, se limita a apresentar o corpo de uma menina jovem no qual se lê sua pertinência a classe trabalhadora. A simplicidade do mobiliário, as roupas empilhadas sobre um banco de palha, ao pé da cama desfeita e, sobre tudo, o título do quadro, indicam que se trata de una criada. Um foco de luz dirigida partindo da esquerda ilumina esse corpo que se destaca com intensidade dramática sobre o fundo neutro da parede de fundo. A pele da menina é escura, sobre tudo nas zonas que o corpo de uma mulher de trabalho se via exposto ao sol: As mãos, o rosto e as pernas. A criada aparece absorvida na tarefa de vestir uma meia, de modo que o contraste entre os peitos e a mão castigada pela intempérie se faz mais evidente. Cruzadas uma sobre a outra, as pernas, grossas e musculosas se destacam com um tratamento naturalista que se detém na representação meticulosa de uns pés toscos e maltratados. O púbis, invisível após a perna cruzada, se localiza no centro exato da composição. Nenhum destes detalhes passou inadvertido aos críticos que, tanto em Paris como em Buenos Aires, comentaram o quadro em 1887.
Foi pintado em Paris por Eduardo Sívori quem, trás haver alcançado sua aceitação no Salão anual, o enviou a Buenos Aires esse mesmo ano sabendo de antemão que sua exibição geraria polémicas. Foi o primeiro gesto vanguardista na historia da arte argentina.
Sívori ofereceu sua tela em doação a Sociedade Estímulo de Belas Artes, em cuja fundação ele mesmo teve um papel fundamental. A chegada do quadro desde Paris, provavelmente traído por Eduardo Schiaffino, foi precedida por uma serie de artículos de prensa nos quais a mesma Sociedade Estímulo anunciou que era um quadro problemático, que seria de exibição restringida, e que havia recebido em Paris alguns comentários (que foram traduzidos integramente) nos quais se punha em duvida o bom gosto do artista ao encarar semelhante assunto.
Em 1887 a pintura naturalista ocupava um lugar destacado no Salão de Paris, como uma das vias de renovação da estética oficial da Academia. Sem afastar-se muito das convenções formais impostas pela tradição (claro e escuro, perspectiva, tratamento da superfície) os pintores naturalistas seguem uma línea de renovação iconográfica aberta a mediados do século por Gustave Courbet e Jean-François Millet, introduzindo temas derivados da literatura de Émile Zola, o que expunham era uma denuncia direta dos conflitos sociais contemporâneos, em um tom geral narrativo e melodramático. Não foi o nu um género frequente na pintura naturalista. O quadro de Sívori foi em seguida interpretado pela crítica francesa (Roger- Milès, Emery, E. Benjamin, Paul Gilbert, entre eles) como obra derivada de Zola, um pouco “excessivo” na representação de um corpo que foi visto como feio, sujo e desagradável.
Em Buenos Aires, onde não havia havido até então mais que poucas e discutidas exibições de nus artísticos, o quadro foi objeto não só de uma intensa polémica na prensa (foi qualificado de “indecente” e “pornográfico”), mas também de um importante alinhamento de intelectuais e artistas em seu favor. Em uma reunião de sua Comissão Diretiva, no, 22 de agosto de 1887, a Sociedade Estímulo de Belas Artes decidiu exibir o quadro em seu local, preparar convites especiais aos sócios e aos jornalistas da capital, e abrir um álbum que recorreria às assinaturas de todos aqueles “que querem manifestar ao autor suas felicitações pelos progressos realizados”. Mais de 250 assinaturas de artistas, escritores, etc. Estampou-se nesse álbum em cujas páginas Sívori, guardou, além dos recortes das críticas recebidas e fotografias desse e outros quadros seus que haviam sido expostos no Salão de Paris até o seu regresso definitivo em 1891.
A fotografia de Le lever de la bonne conservada nesse álbum apresenta algumas diferenças com o quadro definitivo. Não sabemos se as modificações foram feitas antes ou depois de ser exibido no Salão de Paris. No criado-mudo pode-se ver uma bacia e uma jarra (elementos de higiene) ao invés do candelabro com uma vela apagada da versão final. Por outra parte, na parede do fundo se vislumbra uma estante com frascos e potes sobre a penteadeira. Todos estes elementos se podem ver facilmente ao contemplar o quadro com luz potente, como si o artista houvesse decidido deixar que aqueles arrependimentos se adivinhem no fundo em penumbras. Mas o mais significativo é a mudança na fisionomia da criada. Seu rosto e seu penteado aparecem na fotografia menos escura. A criada parece uma faubourgienne na versão da fotografia. Talvez mais próxima a aparência de uma prostituta (os elementos de higiene também contribuem a isso), assunto predileto da Vanguarda e da crítica social da época. Ainda modificada, a criada foi interpretada como prostituta y considerada pornográfica por vários de seus primeiros comentadores. Sua transformação é significativa. Talvez o artista decidisse afastar-se do “assunto” social de moda ao apresentar-se no Salão. Talvez dedicou transforma-la inequivocamente em uma criada pobre para sua exibição em Buenos Aires.Laura Malosetti Costa

Bibliografia

1887. Mémorial Diplomatique, Paris, 21 de mayo. — “El cuadro del Señor Sívori”, El Diario, Buenos Aires, 2 de Júlio, p. 1. — La Nación, Buenos Aires, 20 de julio. — El Diario, Buenos Aires, 20 de agosto. — El Diario, Buenos Aires, 4-5 de septiembre, p. 1. — La Tribuna Nacional, 6 de septiembre. — Sud-América, Buenos Aires, 6 de septiembre, p. 1. — El Censor, Buenos Aires, 7 de septiembre. — LOHENGRIN, “A propósito de Le lever de la bonne. Sívori y Chaplin”, El Censor, Buenos Aires, 12 de septiembre. — Salon de 1887. Catalogue illustré. Peinture et sculpture. Paris, Ludovic Baschet, p. 39.
1895. GHIGLIANI, Alejandro, El Tiempo, Buenos Aires, 14 de outubro, p. 1.
1937. Pagano , José León, El arte de los argentinos. Buenos Aires, edición del autor, t. 1, p. 307-310, reprod. p. 307.
1960. PAGANO, José León, “La pintura en el sesquicentenario de nuestra independencia: una caracterología del arte argentino”, ARS, Buenos Aires, a. 20, nº 89, lám. 5, [s.p.].
1965. Brughetti , Romualdo, Historia del arte en la Argentina. México DF, Pormaca, p. 43, 47.
1966. LÓPEZ ANAYA, Jorge, “La Generación del ’80” en: AA.VV., Argentina en el arte. Buenos Aires, Viscontea, p. 58-59, reprod. color p. 49. — OLIVER, Samuel, “El retrato en el siglo XIX” en: AA.VV., Argentina en el arte. Buenos Aires, Viscontea, p. 46.
1975. HABER, Abraham, “La pintura argentina. Vanguardia y tradición” em: AA.VV., Pueblos, hombres y formas en el arte. Buenos Aires, CEAL, p. 6, reprod. color p. 11.
1978 [1963]. PAYRÓ, Julio E., 23 pintores de Argentina (1810-1900). Buenos Aires, Eudeba, p. 54.
1981 [1978]. Córdova Iturburu , Cayetano, 80 años de pintura argentina. Buenos Aires, Librería La Ciudad, p. 24.
1982 [1910]. SCHIAFFINO, Eduardo, La evolución del gusto artístico en Buenos Aires, compilado por Godofredo Canale. Buenos Aires, Francisco A. Colombo, p. 95.
1988. PAYRÓ, Julio E., “A pintura” em: AA.VV., Historia geral da arte na Argentina. Buenos Aires, Academia Nacional de Belas Artes, vol. 6, p. 160-161.
1992. TELESCA, Ana María, “A recepção de Le lever de la bonne em Buenos Aires” em: Primeiras jornadas de arte, literatura e meios. Masculino/feminino. As marcas do género. Buenos Aires, FFyL-UBA, inédito.
1993. CANAKIS, Ana; Patricia Giunta e María José Herrera, Portraits. Vida e obra de artistas eminentes. Eduardo Sívori. Buenos Aires, MNBA, reprod. color.
1997. LÓPEZ ANAYA, Jorge, Historia da arte argentina. Buenos Aires, Emecé, p. 59.
1998. AMIGO, Roberto; Patricia Artundo e Marcelo Pacheco, Pintura argentina. Breve panorama do período 1830-1970. Buenos Aires, Banco Velox, p. 7, reprod. color p. 31. — MALOSETTI COSTA, Laura, O mais velho dos jovens: Eduardo Sívori na construção de uma modernidade crítica. Buenos Aires, Fundação para a Investigação da Arte Argentina (Premio Telefónica a investigação na historia das artes plásticas), p. 57-84, reprod. tapa, p. 59.
1999. BURUCÚA, José Emilio (dir.), Nova historia argentina. Arte, sociedade e política. Buenos Aires, Sudamericana, vol. 1, p. 187, reprod. color p. 186.
2000. MALOSETTI COSTA, Laura, “¿Berço ou cadeia da arte? Itália no projeto dos artistas da geração dos oitenta em Buenos Aires” em: Diana Wechsler (coord.), Itália no horizonte das artes plásticas. Argentina, século XIX e XX. Buenos Aires, Associação Dante Alighieri, p. 126.
2001. Malosetti Costa , Laura, Los primeiros modernos. Arte e sociedade em Buenos Aires a fins do século XIX. Buenos Aires, FCE, p. 206-223, fig. 20.
2006. AMIGO, Roberto e María Isabel Baldasarre, Mestres e discípulos. A arte argentina partindo do arquivo Mario A. Canale. Buenos Aires, Fundação Espigas, p. 31, 170, 184.
2008. Malosetti Costa , Laura (comp.), quadros de viajem. Artistas argentinos em Europa e Estados Unidos (1880-1910). Buenos Aires, FCE, p. 30-31, 86-97.