Sobre a Obra

Aparição de São Isidoro ao Rei Fernando o Santo frente aos muros de Sevilha

  • Artista: Goya y Lucientes, Francisco José de
    Nacionalidade Española
    (España, Fuendetodos, 1746 – Francia, Burdeos, 1828)
  • Data: 1798-1800
  • Origem: Artal, José
  • Gênero: religioso
  • Suporte: Sobre tela
  • Dimensões: 36,3 x 40,1 cm. - Marco: 44,2 x 28,5 cm.
  • Localização: Salão 8 - Francisco de Goya
Voltar

Compartilhar

Aparição de São Isidoro ao Rei Fernando o Santo frente aos muros de Sevilha Ampliar
Inventário 2563

Comentário sobre Aparição de São Isidoro ao Rei Fernando o Santo frente aos muros de Sevilha

​Na segunda metade da década de 1790, já recuperado da doença sofrida em 1792 que lhe deixou como sequela a surdes, Francisco de Goya executou obras nas que se observa um profundo cambio estilístico e uma nova liberdade no estilo, no tratamento e o plasmar dos temas. Destes anos finais do século XVIII datam alguns de seus retratos mais destacados, as gravuras a água dos Caprichos e uma serie de pinturas religiosas: as abóbadas para o oratório da Santa Cueva em Cádiz, os a fresco para São Antonio da Florida em Madrid, e três grandes quadros de altar para a igreja de São Fernando de Monte Torreiro em Zaragoza. Este último conjunto lhe havia sido encomendado pela Junta do Canal Imperial de Aragon, comitente desse templo construído para atender aos empregados do Canal e consagrado em 30 de abril de 1802. Manuel García Guatas (1) e Juliet Wilson-Bareau (2) vinculam hipoteticamente com o encargo a Martín Zapater, confidente e correspondente de Goya em Zaragoza, mas Arturo Ansón Navarro apontou a provável intervenção de outros amigos do pintor que ocupavam cargos importantes no Canal Imperial: o administrador general José de Yoldi e o tesoureiro Pedro Miguel de Goicochea (3).
Os quadros pintados por Goya estavam dedicados a São Isidoro, São Hermenegildo e Santa Isabel de Portugal, por um programa iconográfico que Enrique Pardo Canalís considerou teologal, alusivo a esperança, a fé e a caridade (4), e que García Guatas interpretou em um sentido de afirmação monárquica, pois os três santos se relacionam com reinados da península ibérica e foram objeto de devoção por parte da monarquia espanhola (5).
A pintura do Museu é um rascunho preparatório para o quadro do altar maior dessa igreja aragonesa, perdido ou destruído durante a guerra da Independência, como os dos quadros destinados aos altares laterais. Conservaram-se os três rascunhos, que em 1887 o conde da Viñaza registrou, de forma um tanto imprecisa, em poder de Francisco Zapater (6). José Luis Morales e Marín (7), García Guatas (8) y Juliet Wilson-Bareau (9) notam como o proprietário inicial a Martín Zapater. Ansón Navarro confirma esta noticia e precisa que foram presenteados a este por Goya e passaram depois a seu sobrinho-neto (10).
Para 1900, as pinturas haviam tido diferentes proprietários, conforme os dados consignados no catálogo da mostra homenagem ao pintor aragonês realizada em Madrid nesse ano com motivo de traslado de seus restos a Espanha. Em 1910, Pedro Artal comprou em Paris a Aparição de São Isidoro e por seu intermédio passou a José Artal e chegou a Buenos Aires em 1911, onde foi adquirido pela Comissão Nacional de Belas Artes. Os dois rascunhos para os quadros laterais foram comprados por José Lázaro Galdiano em 1930 e integram os fundos do Museu Lázaro Galdiano em Madrid: Santa Isabel atendendo a una doente (óleo sobre tela, 33 x 23 cm, inv. 2021) e São Hermenegildo na prisão (óleo sobre tela, 33 x 23 cm, inv. 2017). Em 1991, as três obras foram reunidas na exposição realizada em Zaragoza e foram novamente exibidas como um conjunto na mostra Goya. O capricho e a invenção, em 1993 e 1994.
Dentro deste grupo, o rascunho do Museu é o de maior tamanho. Diferencia-se também pelo formato rematado com arco de meio ponto, definido dentro do retângulo da tela através de linhas escuras no borde inferior e no lateral direito, traçadas a pincel sobre o tono ocre de base, enquanto na parte superior do arco e na lateral esquerda o contorno fica estabelecido pela superposição da capa pictórica (11).
Os três quadros estavam colocados para agosto de 1800 (12) e foram descritos por Gaspar Melchor de Jovellanos em seu diário de viaje quando visitou a igreja de Zaragoza em 1801. O rascunho do Museu coincide com a descrição do quadro localizado no altar maior, ainda que Jovellanos errasse na identificação do episodio histórico e das personagens: “[…] representa a São [branco] pêndulo no ai, como protegendo ao Rei Don Jaime de Aragon para a conquista de Valencia” (13).
A cena representa um fato milagroso que teve lugar durante o local de Sevilha em 1247, que culminou com a reconquista da cidade. O santo bispo de Sevilha, Isidoro, revestido com o pontifical e tocado com o mitra próprios de seu investimento, se lhe aparece ao rei Fernando III ao sair este de sua casa de campanha, coberto com a armadura e o manto, e o impulsa a recuperar a cidade, sua antiga sede, em poder dos mouros. Como possível fonte literária, Pardo Canalís sinaliza a Vida de São Fernando o III Rei de Castilla y León, Protetor da Real Brigado de Caravaneiros e lei viva de Príncipes perfeitos de Álvar Nuñez de Castro, cronista de Carlos II, reimpresso em Madrid em 1787, que Goya e seus comitentes pôde haver conhecido (14).
Goya definiu o cenário e os personagens com toques rápidos e ágeis do pincel apenas carregado de pigmento. Estabeleceu claramente o conteúdo narrativo e expressivo da cena e a jerarquia dos personagens representados, indicando seus figurinos e atributos. Contrastou o céu luminoso e a roupa claro do bispo, que inclina no ar e sinaliza a cidade sitiada, com a mancha escura sobre a qual localizou a figura do rei com firmes pinceladas ocres, vermelhas, brancas, e sucintos traços negros. Ante o monarca, rascunhou um grupo de figuras definidas por sintéticos traços escuros e dois personagens ajoelhados que lhe presentam uma coroa e uma espada. Surgiu também, com manchas muito sutis, à visão afastada do perfil turvo de uma cidade, cuja alta torre permite reconhecer a Sevilla com o Cata-Vento.
O rascunho põem em evidencia o papel fundamental que desempenhavam a pincelada e a cor no desenvolvimento do processo criativo goyeniano, e a liberdade e o vigor com que o pintor trabalhava nos casos prévios a concreção final do quadro.María Cristina Serventi

Nota de rodapé

1— Manuel García Guatas, “Três rascunhos para os quadros da igreja de São Fernando de Torreiro”, Goya, cat. exp. Zaragoza, Ajuntamento de Zaragoza, 1992, p. 92.
2— Juliet Wilson-Bareau e Manuela Mena Marquês, Goya. O capricho e a invenção. Quadros de gabinete, rascunhos e miniaturas, cat. exp. Madrid, Museu do Prado, 1993, p. 367.
3— Ansón Navarro, 1995, p. 186.
4— Pardo Canalís, 1968, p. 362.
5— M. García Guatas, op. cit., p. 92.
6— Conde da Viñaza, 1887, p. 299. O conde da Viñaza não conhecia os temas de este conjunto e registrou a pintura em poder a Francisco Zapater com o título Assunto desconhecido.
7— Morales e Marín, 1990, p. 259.
8— M. García Guatas, op. cit., p. 92.
9— J. Wilson-Bareau y M. Mena Marqués, op. cit., p. 367.
10— Ansón Navarro, 1995, p. 186. Não se indica a fonte documental.
11— Nas fotografias dos rascunhos sem marcos pode-se observar que a preparação de base é semelhante nos três casos. Publicadas em: J. Wilson-Bareau y M. Mena Marqués, op. cit., p. 243, 244 y 245.
12— Ansón Navarro, 1995, p. 186.
13— Citado em: M. García Guatas, op. cit., p. 92.
14— Pardo Canalís, 1968, p. 362.

Bibliografia

1887. MUÑOZ e MANZANO, Cipriano, conde da Viñaza, Goya. Seu tempo, sua vida, suas obras. Madrid, nº CXXXVII, p. 208-209 y 299 (Assunto desconhecido).
1900. LAFOND, Paul, Goya. Paris, Librairie de l’art ancien et moderne, nº 52, p. 108.
1903. VON LOGA, Valerian, Francisco de Goya. Berlin, G. Grote’sche Verlagsbuchhandlung, nº 48, p. 182.
1908. CALVERT, Albert F., Goya: An Account of his Life and Works. London, J. Lane, nº 48, p. 171.
1911. “Nota de arte. XX Exposição de pintura espanhola”, Sarmiento, Buenos Aires, 13 de Júlio.
1913. GÁLVEZ, Manuel, “O Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires”, Museum, Barcelona, a. 3, nº 8, p. 268-284.
1917. BERUETE Y MORET, Aureliano de, Goya. Composição e figuras. Madrid, Blass e Cía., t. 2, p. 96-97, nº 227, p. 169 (medidas 47 x 32 cm).
1925. MAYER, August, Francisco de Goya. Barcelona, Labor, nº 56 y 57, p. 171, il. 260.
1928. Boletim do Museu Nacional de Belas Artes, Buenos Aires, a. 1, nº 2, fevereiro, [s.p.].
1939. PÉREZ VALIENTE DE MOCTEZUMA, A., “Arte espanhola retrospectiva”, Nós, Buenos Aires, a. 4, nº 42-43, setembro/outubro, p. 101-104.
1946. SÁNCHEZ CANTÓN, Francisco J., “Goya, pintor religioso”, Revista de Ideias Estéticas, Madrid, Conselho Superior de Investigações Científicas, Instituto Diego Velázquez (seção de Estética), t. 4, nº 15- 16, Júlio a dezembro, p. 26-27.
1928-1950. DESPARMET FITZGERALD, X., L’oeuvre peint de Goya. Catalogue raisonné. Paris, F. De Nobele, vol. 1, nº 104, p. 147, il. 82; vol. 2, p. 272.
1956. “Óleos de Goya”, Boletim do Museu Nacional de Belas Artes, Buenos Aires, a. 1, nº 13, junho, [s.p.].
1958. GAYA NUÑO, Juan Antonio, A pintura espanhola fora da Espanha. Madrid, Espasa- Calpe, nº 1107, p. 180.
1968. PARDO CANALÍS, Enrique, “A igreja zaragozana de San Fernando e as pinturas de Goya”, Goya, Madrid, nº 84, maio-junho, p. 358-365.
1970. GASSIER, Pierre e Juliet Wilson-Bareau, Vie et oeuvre de Francisco Goya. Fribourg/Paris, Office du Livre, nº 739, p. 194, reprod. — GUDIOL, José, Goya 1746-1828. Biography, Analitical Study and Catalogue of his Paintings. Barcelona, Polígrafa, t. 1, nº 459, p. 297; t. 2, il. 733.
1975. DE ANGELIS, Rita, A obra pictórica completa de Goya. Barcelona/Madrid, Noguer/Rizzoli, 1975, nº 410, [s.p.].
1980. CAMÓN AZNAR, José, Francisco de Goya. Zaragoza, Caixa de poupança de Zaragoza, t. 4, p. 77.
1990. MORALES Y MARÍN, José Luis, Goya pintor religioso. Zaragoza, Departamento de Cultura e Educação, nº 108, p. 264 y 266, reprod. p. 265 (Aparição de San Isidoro a San Fernando).
1992. GÁLLEGO, Julián, “Goya volta a Zaragoza” em: Goya, cat. exp. Zaragoza, Ajuntamento de Zaragoza, 1992, p. 19.
1995. ANSÓN NAVARRO, Arturo, Goya e Aragão. Família, amizades e encargos artísticos. Zaragoza, Caixa de poupança da Imaculada de Aragão, 1995, p. 184-190.
1997. FERNÁNDEZ GARCÍA, Ana María, Catálogo de pintura espanhola em Buenos Aires. Oviedo/Buenos Aires, Universidade de Oviedo/ FFyL-UBA, nº 279, p. 88-89 (Aparição de São Isidoro a São Fernando ante os muros de Sevilla).
2002. Goya 1900. Catálogo ilustrado e estudo da exposição no Ministério de Instrução Pública e Belas Artes. Madrid, Instituto do Patrimônio Histórico Espanhol, t. 2, p. 194 y 196, reprod. p. 195.
2003. Goya e o goyesco na Fundação Lázaro Galdiano, cat. exp. Segovia, Caja de Segovia, p. 72, il. 14.