Sobre a Obra

Na costa de Valência (En la costa de Valencia)

  • Artista: Sorolla y Bastida, Joaquín
    Nacionalidade Española
    (España, Valencia,1863 – España, Cercedilla, Madrid 1923)
  • Data: 1898
  • Origem: Piñero, Parmenio T.
  • Gênero: costumes, paisagem
  • Suporte: Sobre tela
  • Dimensões: 57 x 88,5 cm. Marco: 85 x 114,5 x 7 cm.
  • Localização: Salão 21 - Sala Temporaria
Voltar

Compartilhar

Na costa de Valência (En la costa de Valencia) Ampliar
Inventário 2638

Comentário sobre Na costa de Valência (En la costa de Valencia)

​Esta cena de conduta que representa o trabalho dos pescadores que voltam da faina e o jogo de uma criança se desenvolve possivelmente na praia del Cabañal, frequentada por Sorolla, que se caracterizava por conjugar, em torno ao 1900, tanto a pescadores e suas famílias como a pintores em busca de temáticas que mostraram o ser regional. Esta combinação dos trabalhos pré-industriais das classes populares, por uma parte, e de pintura en plein air de conotação nacionalista, por outra, brindava uma imagem otimista do Levante espanhol distante do duro processo de transformação da paisagem da região pela industrialização. A mecanização e o gigantismo urbano eram a nova fisionomia que moldava a vida e os costumes do Levante. No entanto, a atitude de fuga nostálgica da civilização parte a rústica natureza de pintores como Sorolla fazia destes custos um refugio bucólico frente as consequências geradas pela Revolução Industrial.
Detrás desta conduta de ambiente marinho se encontra a verdadeira raison d’être das buscas de Sorolla: a luz mediterrânea. Sua sensibilidade luminosa pertence a uma das duas tendências da pintura espanhola que marcaram a volta do século: a “Espanha branca” contraposta a “Espanha negra” de Zuloaga, Solanas e Romero de Torres, entre outros. A luz, grande protagonista desta pintura, é captada com rapidez e en plein air do meio-dia dando como resultado uma obra definida pela instantaneidade, o esboço e uma atmosfera vibrante produto dos reflexos de sol ofuscantes em seu zênite sobre o mar.
Sorolla ocupa um lugar especial dentro do movimento iluminista cujos centros foram Valencia e Sitges. A diferença do resto dos iluministas, reuniu em si influencias que soube dosificar, como a do impressionismo e a dos pintores escandinavos como Peder Severin Krøyer (1851-1909), Viggo Johansen (1851-1935) e Anders Zorn (1860-1920) ou do alemão Adolph von Menzel (1815-1905), cuja obra conheceu em Paris. No debate de tradição-modernidade, sua pintura não tinha apenas a capacidade de resolver o dilema entre o conhecimento acadêmico e a experimentação impressionista, equilibrando ambas as posições, se não que também conseguia manter um juste milieu artístico (em um momento de vanguardas contestatárias e atitudes reacionárias a elas) que o brindou um êxito comercial internacional sem precedente nos outros iluministas. Tudo isso leva a historiografia artística a considera-lo como o pintor que encerra o movimento iluminista levantino.
A captação instantânea e luminosa das formas, próxima ao impressionismo parisiense, mas alheio a suas inquietudes, é uma constante nos pintores nascidos no Levante espanhol e ativos a fins do século XIX e princípios do seguinte, de quem o estilo sorollesco se nutre. Estes, a pesar de sua formação conservadora, se atreveram ao risco em técnicas incomuns e de grande modernidade em relação com as normas académicas que impunham o gosto pelo betuminoso, provocando um cambio substancial na maneira de pintar. Ao focalizar-se na presença dominante do mar no qual a vista se perde ao infinito, em sua atmosfera costeira e na sugestão hipnótica da luz e suas matizes, propuseram ao espectador involucrar-se em uma percepção da realidade que é anterior a uma primeira estruturação geostática, em outras palavras, percepção na qual as sensações antecedem as formas. O iluminismo levantino se inserta em uma tendência ao aclaramento da paleta que tinge lugar na pintura europeia do século XIX, evidência a procura em relação com a cor e com a luz gerada a partir do desenvolvimento da pintura de paisagens e da captação de efeitos naturalistas.
Sorolla criou uma “maneira” possível de ser emulado a nível composto e “digerível” tematicamente apesar de sua modernidade. Sua técnica luminosa se opunha diametralmente a paleta armada de frio academicismo que havia entronizado a pintura de historia com suas composições artificiosas. No entanto, a organização deliberada de Sorolla em massas de luz e cor o aproximava ao pensamento académico que gostava de compor fortemente a tela equilibrando as formas e as cores. A adesão, em parte, a técnica impressionista não deve confundir-se com a adoção do descobrimento da impressão luminosa mediante a justaposição de cores puras colocando em um plano secundário a estrutura, nem com a dissolução da forma - divergências com o impressionismo que o uniam ao resto dos iluministas– ainda que seu projeto de lei geralmente oscile a uma pincelada de traço impressionista. Estas características técnicas se observam nesta obra, como também na La vuelta de la pesca (1898, inv. 2007, MNBA), ambas dotadas de uma infraestrutura muito complexa. Certa imprecisão e velocidade da poética de Sorolla nunca poderão ser emuladas por seus seguidores.
Em quanto à temática, o artista impõe a descrição de uma idade de oro do Mediterrâneo, uma Arcádia onde nos apresenta homens em simples e doce harmonia com a natureza. O gesto dos pescadores e o pequeno jugando representam o que flui e é efêmero. Ainda assim, estes instantes evocam a eternidade dos tipos humanos da região.María Cristina Serventi - Alberto Martín Isidoro

Bibliografia

1907. Schiaffino , Eduardo, “El legado Parmenio Piñero”, La Nación, Buenos Aires, 8 de agosto (Na costa de Valencia).
1913. Gálvez , Manuel, “O Museu de Belas Artes de Buenos Aires”, Museum, Barcelona, a. 3, nº 8, p. 269-284.
1916. GÁLVEZ, Manuel, A vida múltiple (arte e literatura: 1910-1916). Buenos Aires, nós, p. 156.
1942. INSTITUIÇÃO CULTURAL ESPANHOLA, Sorolla, sua obra na arte espanhola e as suas obras na Argentina. Buenos Aires, Instituição Cultural Espanhola, p. 38.
1953. Pantorba , Bernardino de, A vida e a obra de Joaquín Sorolla. Madrid, Mayfe, nº 1044, p. 163 (Na praia de Valencia).
1970. Pantorba , Bernardino de, A vida e a obra de Joaquín Sorolla. Madrid, Extensa, nº 1044, p. 167.
1997. FERNÁNDEZ GARCÍA, Ana María, Catálogo de pintura espanhola em Buenos Aires, Oviedo/Buenos Aires, Universidade de Oviedo/FFyL-UBA, nº 597, p. 178-179. — FERNÁNDEZ GARCÍA, Ana María, Arte e emigração: A pintura espanhola em Buenos Aires, 1880-1930. Oviedo, Universidade de Oviedo, p. 94.
2001. Rossi , Jorge, Espanha e Argentina. Presença viva. Buenos Aires, edição do autor, p. 54.
2005. AZNAR, Yayo e Diana B. Wechsler (comp.), A memoria compartilhada: Espanha e Argentina na construção de um imaginário cultural (1898-1950). Buenos Aires, Paidós, p. 112-113.
2006. Artundo - Patricia (org.), A arte espanhola na Argentina 1890-1960. Buenos Aires, Fundação Espigas, reprod. p. 433. — Baldasarre , María Isabel, Os donos da arte. Colecionismo e consumo cultural em Buenos Aires. Buenos Aires, Edhasa, p. 212, reprod. cor nº 72.
2007. Navarro , Ángel M. e Teresa Tedin Uriburu, Lucrecia de Oliveira Cézar e o colecionismo de arte na Argentina. Buenos Aires, FADAM, reprod. p. 182.
2009. DÍEZ, José Luis e Javier Barón (ed.), Joaquín Sorolla 1863-1923, cat. exp. Madrid, Museu do Prado, p. 28, fig. 348.