Sobre a Obra

Vermelho claro sobre vermelho escuro (Light red over dark red)

  • Artista: Rothko, Mark
    Nacionalidade Rusa
    (Rusia,Dvinsk,1903 – EEUU,New York, 25/02/1970)
  • Data: 1955-1957
  • Origem: Torcuato Di Tella (Fundação e Instituto) (comprado de Sidney Janis Gallery, Nova York), 1971
  • Gênero: cor lisa, expressionismo abstrato, do pós-guerra
  • Suporte: sobre tela
  • Dimensões: 208 x 109 cm.
  • Localização: Salão 34 - Arte latinoamericano 1945 - 1970 - El arte de posguerra I: la nueva hegemonía
Voltar

Compartilhar

Vermelho claro sobre vermelho escuro (Light red over dark red) Ampliar
Inventário 7978

Comentário sobre Vermelho claro sobre vermelho escuro (Light red over dark red)

​Mark Rothko emigrou aos Estados Unidos aos dez anos de idade, partiu da antiga União Soviética e se estabeleceu com sua família em Portland, Oregon. Frequentou brevemente a la Universidade de Yale, que abandonou antes de graduar-se. Depois se mudou a Nueva York onde recebeu sua única educação artística formal na Art Students League, frequentando as classes ditadas por um grande pintor expressionista, o alemão expatriado Max Weber (1). Em um principio Rothko trabalhou segundo a pauta expressionista, mas durante o transcurso de sua carreira foi aproximando-se ao abstrato. Em 1947 já havia abandonado completamente o uso de figuras. Light red over dark red encarna o estilo pelo qual Rothko foi mundialmente reconhecido como um destacado exponente do expressionismo abstrato.
Light red over dark red pertence ao período de amadurecimento de Rothko e é emblemático em sua produção da etapa de 1951 a 1970. Na década anterior havia composto suas obras com múltiplas áreas de cor dando lugar, em este período de amadurecimento, uma totalidade visual nas que os elementos da pintura se fundiam em uma composição continua. Para 1951, o pintor havia chegado ao fim de sua procura artística e se manteve firme com seu selo pessoal de formas retangulares apilhadas e suspendidas sobre fundos coloridos. Nesta obra, tão característica nesse sentido, é evidente sua preferencia pelos bordes e os ângulos suaves mais que pelas estritas formas geométricas. Rothko amontoou capas de cor para criar um ambíguo sentimento de profundidade. A pesar da ausência de figuração na obra de Rothko, as modulações de cor no espaço frequentemente transferem uma sensação de movimento. A aparente facilidade visual da obra do artista neste período dissimula a complexidade das composições. Rothko compões suas abstrações de campos de cor com a intenção de que cada trabalho expressara um animo diferente. Queria que cada tela projetara seu próprio espaço e envolvera assim ao espectador, transcendendo deste modo o contexto (2).
O impulso com que Rothko criou Light red over dark red e seus outros trabalhos da década de 1950 há sido atribuído a teorias da estética do sublime, clave para o expressionismo abstrato. Ao deixar tudo suspeito de símbolo ou figura em seus trabalhos o artista tratava de projetar a emoção humana sem intermediários.
Rothko rejeitava a definição “abstrato” para seu trabalho. Quando descrevia a motivação detrás de suas obras, remarcava: “a identidade familiar das coisas deve ser pulverizada para destruir as infinitas associações com que a sociedade encobre cada aspecto de nosso meio ambiente” (3). Queria que cada trabalho criara uma íntima e intensa experiência estética no espectador, e preferia que suas obras fossem expostas em grupos, para que cada uma pudesse expressar uma voz individual entre as outras vozes.Abigail Winograd

Nota de rodapé

1— A Art Students League foi fundada em 1875 e segue funcionando na atualidade. No transcurso de sua existência, muitos célebres artistas estadunidenses se formaram ou ensinaram nesta escola. Depois da Segunda Guerra Mundial, muitos dos futuros expressionistas abstratos concorreram a ela.
2— Anfam, 1998.
3— Sam Hunter, “The United States” em: Art since 1945. New York, Harry N. Abrams, 1958, p. 310.

Bibliografia

1998. ANFAM, David, Mark Rothko: the works on canvas. Catalogue raisonné. New Haven/Washington, Yale University Press/ National Gallery of Art, n. 540, p. 415.